segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Tarô: Caminhos da vida


O Tarô é um oráculo e, sendo assim, é interessante saber primeiro o que é um oráculo, para então saber o que é o próprio tarô. Uma consulta simples em dicionário nos traz termos como profecia, revelação, palavra inspirada ou o que mais me agrada: Resposta dada por divindade a quem a consulta.
Em muitos momentos da vida temos dificuldade em saber que decisão tomar, fazer ou não fazer, agir ou não agir, etc. e alguns desses momentos acabam nos causando sofrimento, conflitos internos e angústia em função da necessidade de se tomar decisões, pois estas implicam em uma sequência em nossas vidas. Ao consultarmos o tarô, um oráculo, é como pedir um auxílio e obter uma resposta que, apesar de não ser 100% garantida (pois nada na vida é) no mínimo pode nos mostrar um caminho, que antes não tínhamos condições de visualizar (isso quando não mostra o caminho e de que forma segui-lo!).
Se trata de uma ferramenta de auto-conhecimento, o que significa conhecer os próprios limites para saber de que forma agir. Não nos mostra respostas que são imutáveis, ou seja, o que é mostrado pode ser mantido ou alterado levando em conta o livre arbítrio e atitudes que interfiram no destino. Tendo isso em mente, há dois aspectos importantes: Primeiro - Se o tarólogo ou quem está se consultando tentar mudar a resposta mostrada por uma simbologia (arcano - carta ou lâmina) buscando substituir a carta, estará querendo modificar aquilo que foi captado como a energia do momento do consulente, o que representa o mais próximo de sua realidade atual. Segundo - O tarô como uma ferramenta que não é imutável, é útil para o "estar" e não para o "ser", ou seja, nos mostra o que se refere ao momento da vida de alguém e não uma situação que seja para a vida toda, como o que poderia dizer a numerologia por exemplo, sendo possível utilizá-la em conjunto com o tarô procurando assim o conhecimento sobre quem somos e o que estamos vivendo.
O tarólogo não é um paranormal, um místico ou o que quer que seja neste sentido. É alguém que se propôs a estudar um oráculo de forma sistemática e que provavelmente iniciou seu estudo conhecendo seus próprios caminhos através das cartas e, ao conhecer esta arte, que é patrimônio de sabedoria da humanidade, decidiu também auxiliar seu semelhante prestando uma atividade para o bem deste.
Acima de tudo, o tarólogo possui conhecimento que é adquirido com estudo. A intuição pode fazer parte do trabalho, mas ela sozinha não daria direcionamento algum se não houvesse por parte do profissional o conhecimento sobre a ferramenta que utiliza, e assim é com qualquer outra atividade na vida. Seja qual for nossa profissão, usamos simultaneamente conhecimento e intuição, racional e emocional.

*Para falar tudo a respeito do tarô, seria preciso muito mais que um simples texto como este, havendo vasta literatura sobre o assunto. A intenção aqui foi apenas elucidar brevemente o tema!

2 comentários:

  1. Olá Leandro!! É a primeira vez que leio um breve, mas, consistente texto sobre o Tarô. Concordo com tudo o que disse - eu também penso assim, por que é assim que se configura com nosso Eu divino.

    Abraços
    Madalena

    ResponderExcluir