quinta-feira, 10 de novembro de 2011

A origem das doenças


Qualquer tipo de distúrbio físico que experimentamos nada mais é do que o resultado de nossas próprias atitudes, seguindo princípios legítimos de ação e reação e do justo merecimento.
Todos os pensamentos que temos ganham forma, dependendo da intensidade com que os criamos e os materializamos, claro que de maneira imperceptível em um primeiro momento. Uma forma de pensar equilibrada e harmônica produz uma harmonia orgânica, assim como sequências desenfreadas de idéias conflitantes nos tiram de nosso eixo e provocam a desarmonia orgânica.
Essa desarmonia orgânica, esse conflito gerado por uma tentativa de fuga daquilo que somos se refere aos desejos terrenos ou submissão à persuasão externa se sobrepondo ao nosso interior. Na alma carregamos um projeto de vida, ideais adequados para nosso equilíbrio e ajustes na personalidade que são necessários para o momento. Se em algum momento fugirmos do nosso propósito de alma, então causamos um conflito interno, que se apresenta como um desequilíbrio emocional que vai tomando forma cada vez maior até a exteriorização em forma de doença.
É necessário sempre uma avaliação para buscar a origem dos males ao invés de somente tratar os seus efeitos. Os efeitos são importantes sim, mas para que sirvam como guias que nos conduzam à causa de um problema. Se os efeitos de uma doença tomam toda a nossa atenção a ponto de não nos preocuparmos com a causa, então tomamos apenas medidas paliativas.
A terapia floral é uma importante ferramenta para tratar a causa dos males, já que por uma avaliação do "doente", o terapeuta se preocupa em identificar qual foi o conflito gerado que ocasionou todos os problemas posteriores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário