segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Como está sua conduta?


Em muitas ocasiões nos queixamos da forma como está nossa vida, comparando-a com a forma como gostaríamos que estivesse. Costuma faltar-nos, contudo, a capacidade de observação para notar até que ponto nossa forma de agir condiz com nossos anseios.
Se alguém nos questionar neste exato momento sobre como está nossa conduta, saberemos responder com precisão? Temos um foco e sabemos por onde estamos caminhando? Será que estamos realmente fazendo todo o possível para que dias melhores nos sejam apresentados?
É preciso aprender a assumir a responsabilidade sobre a própria sorte, de forma que o exterior é um reflexo do interior. Recebemos de volta aquilo que projetamos. Quem toma atitudes questionáveis, terá também uma sorte questionável. Quem acredita fazer o bem e mesmo assim não recebe as desejadas oportunidades, talvez não esteja explorando todo o seu potencial.
Temos mais poder do que podemos imaginar, todo ele pronto para ser utilizado. Uma pena é que nem todos querem de fato conhecer o próprio potencial, saber até onde podem chegar. As razões podem ser diversas e não nos cabe questionar nossos semelhantes, já que cada um terá o seu momento.
O que sem dúvida está ao alcance de todos é passar a observar melhor a forma de agir. Precisamos de tempo para nós, olhar para o interior e saber quais são nossas reais necessidades. Não irá custar nada e os benefícios podem ser diversos.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Humildade


É preciso saber reconhecer que somos apenas parte de uma enorme engrenagem, que é o meio em que vivemos. Uma parte importante, porém que jamais poderá funcionar isoladamente.
A grandeza da vida é muito mais significativa do que a distância entre o olho e o umbigo e, assim, precisamos conhecer o nosso verdadeiro papel no meio em que vivemos.
O excesso de confiança, prepotência ou arrogância, produzem o efeito oposto em quem observa o indivíduo que manifesta estas características. Aquele que acredita representar um papel mais importante para o todo do que o seu semelhante, no fim acaba se mostrando o oposto de sua ilusória grandeza. Este indivíduo é o que mais precisará aprender ao longo da vida e que estará mais sujeito a quedas desnecessárias, pois irá se deparar com suas limitações, mais cedo ou mais tarde.
Se tivermos a oportunidade de, o quanto antes, reconhecer que nosso semelhante é tão importante quanto nós somos, mais rápido poderemos evoluir de forma coletiva. Uma sociedade que pode contar com o respeito entre seus membros terá, sem dúvida, uma prosperidade maior do que aquela onde cada um busca agir somente em seu próprio benefício.
Não devemos sentir-nos inferiores jamais, tampouco superiores. Se observamos que alguém que cruza nosso caminho ainda precisa aprender algo que já sabemos, podemos tentar de alguma forma alertá-lo. Se não for possível, seguimos o nosso rumo coletando mais um aprendizado, dentre os vários que teremos pela frente.
O importante mesmo é agir com humildade. O sábio coloca-se sempre na posição de eterno aprendiz, mesmo já possuindo uma grande bagagem. Ele transmite seu conhecimento sem precisar formalizar o que faz, leva adiante sua sabedoria em cada momento, em cada palavra e, sem que ninguém possa notar, continua sempre aprendendo e tornando-se mais útil a cada dia.

sábado, 14 de janeiro de 2012

Justo agora?


Quem é que nunca recebeu uma boa oportunidade ou precisou tomar uma grande decisão em um momento em que acreditava não ter o preparo para lidar com este desafio?
Da mesma forma que a vida nos cobra, oferece também recursos para que possamos enfrentar a nossa jornada diária rumo às nossas metas. É importante que estejamos receptivos ao que vier em cada momento de nossa existência, pois oportunidades podem chegar a qualquer hora e, na grande maioria das vezes, se deixarmos passar, não haverá outra igual.
Quando perdemos uma boa chance na vida pelo fato de estarmos inseguros, lamentamos depois e perdemos um tempo precioso remoendo nosso erro. Algo bom se extrai disso, de forma que nos proporciona o aprendizado para lidar com o fato, para que assim saibamos como agir da próxima vez.
Quem é que nunca disse ou ouviu qualquer pessoa dizer algo como "se aquela oportunidade que tive antes me ocorresse agora, então eu estaria preparado(a)"? Esse tipo de postura nos faz viver lamentando algo que passou e nos aprisiona no passado, impedindo inclusive que novas oportunidades cheguem até nós.
É muito importante cultivar o pensamento de que sempre teremos o preparo para lidar com as oportunidades quando elas chegarem, pois isso nos dará segurança em momentos cruciais.
Pode ser muito útil em cada manhã dizer para si próprio algo como "estou preparado(a) para viver mais um dia de minha existência, da forma como for preciso para meu próprio bem. Ficarei grato(a) pelas bençãos recebidas e saberei compreender os obstáculos, lutando para superá-los."

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Orgulho ou Ego?


A maior parte das decisões e atitudes que tomamos nos diversos momentos da vida estão associadas ao nosso orgulho ou ao nosso ego?
Na minha humilde opinião, considero que somos conduzidos pelo ego além do que seria o ideal para um equilíbrio. Se precisamos agir impulsivamente, em geral acabamos sendo um tanto egoístas tentando o tempo todo expor somente as nossas opiniões e, assim, nos falta até mesmo o bom senso em simplesmente saber ouvir. Creio que o orgulho deve fazer parte do amor próprio, de nossos feitos, de nossas origens e de não se deixar conduzir por opiniões alheias que nos desvalorizem. Claro que essa forma de agir deve ser praticada com bom senso, ou então iremos apenas nos impor o tempo todo sendo bastante intolerantes, dando muito espaço ao nosso ego.
O ego pode tomar conta de nossa personalidade se pensarmos o tempo todo somente naquilo que queremos realizar, deixando de lado também o que precisamos fazer e que muitas vezes leva em consideração o bem estar alheio, em um processo de doar-se. Enquanto vivermos como seres isolados visando o próprio bem estar, infelizmente seremos egoístas. Então conseguimos as conquistas tão desejadas e aí ficamos orgulhosos disso. Neste ponto, erramos duplamente distorcendo o verdadeiro conceito do que o orgulho representa e continuamos sendo egoístas.
O ideal é agir equilibradamente, e, para tanto, sempre haverá espaço para o bom senso!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

A importância de recomeçar


O melhor da vida não é viver do jeito certo, mesmo porque isso é algo muito relativo, já que cada um tem a sua maneira de considerar o que é certo e errado. O melhor é sempre poder recomeçar quando consideramos que cometemos algum erro e perdemos tempo.
Deixar de lado um acontecimento negativo e seguir em frente é o ideal, mas nem sempre é o que acontece. Muitas pessoas vivem no passado e apenas se arrastam no presente sem poder criar um futuro. Falta-lhes a capacidade de superar uma dificuldade e, assim, preferem tornar aquele momento sempre tão real como se fosse hoje. Argumentam de todas as formas que agem assim porque não há muito o que fazer a respeito. Se alguém tenta mostrar-lhes o caminho para que possam livrar-se dessa auto-obsessão, dizem que para quem está de fora sempre parece fácil.
Todos podem recomeçar e fazer diferente, treinando a vontade para que seja dessa forma e deixando de lado a tortura mental, que serve apenas para impedir que qualquer pessoa deixe de exercer o seu potencial criativo.
Recomeçar é uma arte ao alcance de todos. Transformar a vida em uma sucessão de dias melhores depende, acima de tudo, apenas de nossa própria vontade. Sem ela, nenhuma ajuda ou inspiração será possível.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

A encruzilhada: hora de decidir


Você já esteve em uma encruzilhada? Aposto que sim, ao menos uma vez na vida...
Viver uma encruzilhada é estar contra a parede em determinado momento da vida, quando, por uma necessidade maior, nos vemos obrigados a tomar uma decisão importante que sem dúvida irá nos afetar, isso quando também não envolve quem está próximo de nós.
Se trata de momentos que fazem parte da vida, muitas vezes quando não somos capazes de, por conta própria, tirar de nosso caminho aquilo que já não é interessante para nossa evolução. Neste caso, a vida se encarrega de nos obrigar a decidir, simplesmente porque é necessário.
O crescimento é algo difícil de encarar, tanto é que vemos muitos ao nosso redor vivendo na ignorância por comodidade, e assim permanecem até o dia em que serão cobrados pela vida. Não é nada fácil deixar de lado atividades rotineiras a que estamos acostumados, mas que já não acrescentam algo de valor ao nosso principal objetivo nesta vida, que é o de aprender, reconhecer as próprias falhas e trabalhar estes desvios, para finalmente podermos cumprir nosso propósito de alma.
Quanto mais colocarmos em prática a consciência dos reais objetivos da vida, menos vezes estaremos diante de encruzilhadas, porque não precisaremos ser cobrados se estivermos no caminho certo. Caso contrário, é preciso preparo, porque a qualquer momento poderá ser a hora de decidir.

domingo, 8 de janeiro de 2012

A nossa participação


Deixar que tudo fique como está, em muitos casos, pode ser algo confortável. O pior é que nem sempre este conforto reflete uma boa situação, mas sim o fato de alguém haver se acostumado à sua condição, de modo que não queira tomar uma atitude para mudar ou promover uma boa transformação.
A nossa participação em cada momento da vida é sempre decisiva e, não raro, nossas decisões acabam envolvendo pessoas queridas. Desta forma, o que é preciso é cultivar a forma de viver intensamente, reconhecendo a importância de cada momento. É importante que estejamos atentos ao que há para se fazer em relação a qualquer fato que nos seja apresentado.
Uma omissão pode acarretar muitas consequências tristes para alguém. A coragem pode ser necessária em algumas ocasiões, já que emitir uma opinião ou assumir a rédea de uma situação, interferir como puder, nem sempre é fácil. Por mais que possa ser difícil, precisamos estar prontos para os momentos em que a vida irá nos acionar. Deixar de agir quando é preciso poderá, em algumas ocasiões, prejudicar o planejamento de uma vida.
Participar da vida é algo constante e que deve ser posto em prática. Deixar de participar não é simplesmente ficar de fora, é participar de forma negativa. É, ao invés de emitir uma opinião, uma omissão. Se sua participação não for requisitada, então você não estará naquela hora e naquele local. Mas se estiver, é com você!

"Para que o mal triunfe, basta que o bem não seja praticado"

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Conheça-te e conheça a vida


É interessante que possamos sempre levar em conta um princípio que nos conecta uns aos outros, pensando que em cada parte contém o todo.
Podemos considerar que tudo aquilo que se manifesta em pequenas proporções, também é manifestado em grandes proporções ou, em outras palavras, que vivemos em um macrocosmo cumprindo o papel de microcosmo. A natureza é igual para tudo e todos e, assim, aquilo que está fora é também o que está dentro, e o que está acima é também o que está abaixo, sendo apenas níveis diversos de manifestação de uma mesma fonte de energia.
A partir do momento em que buscamos nosso conhecimento próprio de forma autêntica, podemos também compreender o funcionamento da própria vida, já que para compreender um grande sistema, é preciso antes compreender um menor que represente seu mecanismo. O mundo em que vivemos não é algo separado de nós, e dizer que somos todos um é uma grande verdade. Se me compreendo, posso compreender também o meu semelhante e tudo ao meu redor com maior clareza.
O ponto de partida para o conhecimento da vida está dentro de nós, e basta nossa vontade própria para acessar aquilo que nos é reservado. A chave nos foi dada desde o início.